os ditadores

Finn Andreen

Um cataclismo econômico foi desencadeado no mundo por políticos e burocratas ocidentais. Inacreditavelmente, a atividade econômica no Ocidente desacelerou, pois populações inteiras ficaram confinadas em suas casas por semanas, se não meses. Como resultado, milhões tiveram suas vidas viradas de cabeça para baixo. A maioria dos empresários e trabalhadores independentes teve seus meios de subsistência comprometidos.

A economia da UE pode encolher em 5%, de acordo com o Banco Central Europeu (BCE), e números semelhantes foram previstos para os EUA. A devastação econômica destruída imposta sobre as economias ocidentais pelos governos terá consequências por muitos anos. Inevitavelmente, diminuirá a qualidade de vida dos cidadãos por um longo tempo, afetando sua saúde também.

É importante entender que esse desastre não é o resultado da pandemia de corona vírus, que é um problema de saúde pública, mas de funcionários públicos super zelosos que reagiram à pandemia. Um número crescente de pesquisadores e profissionais de saúde está sugerindo que o número total de casos é muito maior do que se pensava anteriormente, o que significa que o COVID-19 é muito menos mortal do que insistem a mídia e especialistas do governo. Essas taxas de mortalidade revisadas colocam as mortes por COVID-19 em muitos lugares a uma taxa semelhante à da gripe, que mata centenas de milhares de pessoas todos os anos em todo o mundo, sem provocar nenhuma grande reação política.

Isso levanta uma questão: por que as enormes e extremas reações ao vírus por parte dos políticos ocidentais, deixando toda a economia de joelhos e reduzindo severamente as liberdades individuais fundamentais de milhões de cidadãos? Obviamente, há a incompetência usual e o comportamento de rebanho na liderança política de muitos países a serem considerados. Mas existem outras razões para esse comportamento desastroso e irresponsável. Aqui estão alguns.

Primeiro, os políticos geralmente têm pouco entendimento de como os mercados funcionam. Mergulhado no pensamento administrativo e político, a maioria dos políticos nunca trabalhou no setor privado ou estudou economia de mercado. Eles não entendem nem apreciam a complexidade dos mercados que tornam possível nosso alto padrão de vida. Essa complexidade inclui um número insondável de trocas diárias, inúmeras relações comerciais e uma adaptação sem fim às condições circundantes. A lógica da política, no entanto, determina que os políticos não podem ser vistos como “não fazendo nada”, de modo que buscam sempre a intervenção nos mercados. Isto não é novo; sempre foi uma característica típica de políticos e burocratas. As reações políticas à pandemia de corona vírus confirmaram dramaticamente essa verdade mais uma vez.

Em segundo lugar, os políticos naturalmente fazem cálculos políticos. Tendo em mente a reeleição, eles não querem ser responsabilizados por qualquer coisa que der errado. Em uma crise, eles sempre preferem agir a não agir – mutatis mutandis, para mostrar que tentaram alguma coisa. Pelo menos então – em suas mentes – eles não podem ser acusados ​​de ociosidade, negligência, miopia ou insensibilidade. Por mais deletérias que sejam suas ações, os políticos geralmente não são responsabilizados e podem apresentar-se como heroicamente firmes em tempos perigosos, agindo com força e com determinação. As políticas econômicas catastróficas do Presidente Roosevelt durante a Grande Depressão e a Segunda Guerra Mundial são um exemplo disso.

Terceiro, os políticos às vezes confiam demais em cientistas, que geralmente não têm treinamento em questões sociais. Ainda mais que os políticos, os cientistas costumam ter grande dificuldade em compreender o conceito de ordem espontânea do mercado, o que não é surpreendente, uma vez que são seguidores do rigoroso processo científico. As propostas econômicas francamente embaraçosas de Albert Einstein são um exemplo famoso. Enquanto o político tem pelo menos total consciência dos tons sutis de cinza na formulação de políticas e do fino equilíbrio entre satisfazer várias partes interessadas, o cientista geralmente tem boas intenções, mas vê o mundo em preto e branco.

Assim, se for perguntado a um cientista como parar a propagação de uma pandemia, ele provavelmente responderia que a melhor e mais eficiente maneira é ordenar o confinamento estrito de toda a população em suas casas por semanas. É isso que o influente “Conseil Scientifique” da França recomendou, e pode muito bem ser verdade de um ponto de vista puramente científico (embora isso esteja aberto a debate agora). O problema surge quando os políticos seguem entusiasticamente essas opiniões sem considerá-las à luz de suas consequências políticas e econômicas. As duas primeiras razões mencionadas acima podem explicar por que os políticos tendem a depositar confiança excessiva nos cientistas: os políticos não estão familiarizados o suficiente com a economia de mercado para compreender completamente as consequências de agir com base em pareceres puramente científicos, e pode ser do seu interesse agir com base em tais conselhos, já que fazer algo – qualquer coisa – é fundamental.

Uma quarta razão pela qual os políticos agiram de forma tão imprudente para combater a disseminação do COVID-19 é certamente a pressão política sob a qual estão sujeitos. Em tempos de crise (percebida), um eleitorado inconsciente e politicamente sem instrução se volta a eles em busca de orientação, ou até em busca de ordens para seguir. Mas a pressão vem não apenas do povo, o que talvez seja normal em uma democracia, mas também de políticos estrangeiros. Nenhum líder quer ser superado por seus colegas estrangeiros e ficar com o plano mais fraco para enfrentar a crise. Nesse caso, Boris Johnson, do Reino Unido, reverteu suas políticas, e Stefan Löfvén, da Suécia, tem se curvado lentamente a essa pressão externa para agir.

Mas a pressão mais forte sobre os governos provavelmente vem da mídia, especialmente nos tempos atuais da onipresente Internet e mídias sociais. Os políticos agora são constantemente examinados e responsabilizados de uma maneira que apenas uma geração atrás eles não eram. Além disso, a mídia de massa é propensa a dramatizar e exagerar eventos, pois isso contribui para mais audiência, mas também porque os jornalistas não são virologistas. A grande mídia geralmente tende a interpretar e simplificar os fatos, inadvertidamente ou não. Um exemplo disso é a taxa de mortalidade do COVID-19, que é constantemente relatada como muito maior do que é, porque apenas casos declarados são usados ​​(taxa de mortalidade de casos). De maneira mais geral, a atitude predominante da mídia é que tudo deve ser feito para salvar uma pequena minoria de toda a população hoje, mesmo que isso custe um futuro sofrimento econômico para dezenas de milhões de pessoas. Este é o clássico dilema socialista e intervencionista: onde isso para? Em um mundo de recursos escassos, quanto dinheiro do pagador de impostos o Estado deve gastar para salvar uma vida?

Finalmente, é necessário ter uma explicação mais sombria e cínica para a reação política à pandemia: o poder em tempos de crise. O estado nunca perde a chance de aumentar seu poder. As crises são consideradas grandes oportunidades políticas e, portanto, têm sido usadas inúmeras vezes na história pelos governantes. Este foi o caso durante e após a Primeira Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial, bem como após o 11 de setembro, com a aprovação no Congresso da Lei PATRIOT. Mas isso também se aplica a crises menores, como o pânico atual. Os pacotes de estímulo econômico que estão sendo propostos agora beneficiarão novamente os banqueiros corporativistas, como aconteceu durante a crise financeira. É por isso que os grandes bancos foram os primeiros a pedir e aprovar mais “estímulo econômico”. Eles se beneficiam imediatamente com essa “ajuda do governo”.

O fato de a maioria dos governos ocidentais ter decidido imitar a ditadura chinesa ao impor um severo bloqueio da sociedade deve ser um alerta para as almas inocentes que ainda acham, mesmo após o julgamento de Julian Assange, que o Ocidente ainda protege a liberdade individual. Uma evolução política perigosa e assustadora está a caminho em um sistema político e econômico já frágil. As consequências políticas do confinamento generalizado de milhões de pessoas na Europa terão consequências duradouras no equilíbrio de poder entre Estado e sociedade. Embora a ordem “democrática liberal” ocidental nunca tenha realmente existido, exceto no nome, é claro que agora foi dado um passo decisivo em direção oposta a ela.

Essa crise econômica politicamente desencadeada também poderia levar, esperançosamente, a um entendimento mais claro da população de que mudanças constitucionais são devidas em muitos países, a fim de limitar os poderes dos poderes executivos em todos os lugares. Esperemos que esta seja a lição aprendida pelos milhões confinados em suas casas pela vontade arbitrária do estado.

 

Artigo original: https://www.mises.org.br/article/3247/politicos-destruiram-o-mercado-e-ignoraram-direitos-humanos-com-um-alarmante-entusiasmo

Tradução de Luis Felipe

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *