A DESTRUIÇÃO DE UMA NAÇÃO

MARCOS COIMBRA

Nação, segundo a Doutrina da Escola Superior de Guerra, “é o grupo complexo, constituído por grupos sociais distintos que, ocupando uma mesma base física, compartilham da mesma evolução histórico-cultural e dos mesmos valores”. Continuando: “A íntima ligação entre Homem e Terra cria vínculos afetivos que fazem, desses elementos essenciais, a razão do sentimento de Pátria, imprescindível para o despertar da força criadora do civismo e do orgulho nacional”. Ainda, “os elementos básicos da nacionalidade são três: Homem, Terra e Instituições, que constituem a tríade dos fundamentos do Poder Nacional, o qual deve ser utilizado como instrumento a fim de que possam ser alcançados os Objetivos Nacionais Permanentes”.

Uma análise imparcial da conjuntura nacional mostra um quadro calamitoso, tanto a nível quantitativo, como qualitativo, nas cinco expressões do Poder Nacional. O desemprego atinge 8,2% da população economicamente ativa, segundo o IBGE, e cerca de 18%, segundo o DIEESE, projetando um número superior a 13 milhões de desempregados ou subempregados, em nível crítico. A taxa real de juros volta a ser a maior do mundo, para alegria dos banqueiros. O COPOM mantém em 19% a taxa SELIC e o Brasil paga R$ 136 bilhões de juros da dívida interna e US$ 12 bilhões da dívida externa em 1999. A taxa de juros cobrada pelos bancos volta a subir (média de 152,7% ao ano de juros). O rendimento médio das pessoas ocupadas (média dos salários pagos no país) caiu 5% em janeiro de 2000, comparando com janeiro de 1999. Das pessoas ocupadas, em fevereiro, apenas 44% possuem carteira assinada. O teto máximo estabelecido em conversação entre os três Poderes pode alcançar R$ 23.000,00 (incluindo-se as aposentadorias), valor 152 vezes superior ao salário mínimo fixado pela administração FHC em fabulosos R$ 151,00 mensais (76 vezes inferior ao maior salário público, no valor de R$ 11.500,00). O país também é o campeão mundial na má distribuição de renda salarial, além da posição de vanguarda na concentração de renda. Enquanto é concedido um “auxílio moradia” de R$ 3.000,00 ao Judiciário e 43% de aumento aos parlamentares, os trabalhadores auferem R$ 15,00 de reajuste mensal. E a mídia amestrada é conivente com tudo isto, não revelando a verdade dos fatos. Se cumprisse seu dever, informando 50% da realidade, como fez no caso Pitta, em São Paulo, esta atual administração já teria caído. Por muito menos, o ex-presidente Collor foi condenado.

Na administração central, o ministro da Fazenda foi funcionário do Banco Mundial, o ministro Chefe da Casa Civil, funcionário do FMI, o presidente do Banco Central, ex-empregado do megaespeculador George Soros. O presidente do BNDES, do grupo Morgan, o presidente da PETROBRAS, francês, o presidente do Banco do Brasil, italiano. Somente quem é ingênuo não percebe que estão sendo rigorosamente cumpridas as diretrizes do Diálogo Interamericano e do Consenso de Washington, no sentido de manter taxas de inflação oficialmente baixas, a custo da recessão do país, da desnacionalização da economia, da privatização das empresas e setores estratégicos do Brasil, entregues por valores irrisórios a grupos alienígenas predadores. No momento, no fiel cumprimento das ordens recebidas, a administração FHC pretende entregar o que sobra da energia, a água e até a Amazônia.

A corrupção campeia em todo o país, do guarda da esquina aos mais altos escalões. Todos sabem de tudo, mas nada é apurado e ninguém é punido. A nefasta reeleição, verdadeiro “golpe branco” imposto por FHC ao Brasil, prossegue com suas nefastas conseqüências no nível de governo de Estado e, proximamente, nas prefeituras. São escândalos sucessivos, infinitos. Imaginem aquilo que um prefeito não é capaz de fazer para manter-se no cargo por mais quatro anos. Ao final da administração FHC, o que restará do país? O Poder Nacional estiola-se a cada instante. Os Objetivos Nacionais Permanentes estão cada vez mais distantes. Vivemos numa ditadura branca, em estagnação, com convulsões sociais, uma guerra civil não declarada, sob risco de perda até de território, dependentes cada vez mais do exterior, ameaçados de desintegração, devido ao aumento das desigualdades.

Este é o legado da social-democracia de FHC, que passará à história como o presidente mais entreguista da vida política brasileira. E até quando os brasileiros vão suportar isto?

 

Irm. Marcos Coimbra
é Irm. Bacharel em Ciências Econômicas – Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) – 1969; Da Escola Superior de Guerra (ESG) – 1981;
Membro do Corpo Permanente da ESG, de 1982 a 1994, e Chefe da Divisão de Assuntos Econômicos, de 1986 a 1994;
Benemérito da Maçonaria Catarinense – Maio /99;
Grande Benemérito do Grande Oriente do Brasil – Setembro/02.Cruz da Perfeição Maçônica –GOB- jun/2012
Medalha do Mérito Maçônico e Comenda do Mérito Maçônico Lauro Sodré – Loja Lauro Sodré – Maio de 2013;
Medalha do Mérito Maçônico Ouro do Grande Conselho Kadosh Filosófico do Rito Moderno –Rio de Janeiro – Junho de 2014.
http://www.brasilsoberano.com.br/curriculum.htm

BRASIL SOBERANO
Artigo publicado em 26.03.2000 no Monitor Mercantil

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *