Grande Loja da Rússia

História

Acredita-se que a maçonaria chegou à Rússia, no final do século XVII, quando em 1699, o Czar Russo, Pedro I “O Grande”, com 27 anos de idade, teria sido iniciado por Christopher Wren, um famoso maçom operativo responsável pela reconstrução de Londres após o incêndio de 1666. Esta teoria não tem comprovação documental.

Pedro I “O Grande”

Diz a “lenda”, que Pedro foi admitido no grau Escocês de Santo André, e isso, poderia ter influenciado sua escolha da bandeira da Marinha russa, que é chamada de bandeira de Santo André, utilizada até os dias atuais.

Bandeiras Navais Russas

Á partir do final do século XVII, representantes da cultura europeia ocidental entraram no Reino de Moscou. Entre eles estavam técnicos, professores, filósofos, construtores e pregadores, onde estes últimos começaram a espalhar a cultura do hermetismo, dando

 

assim, abertura para a maçonaria. Em 24 de janeiro de 1731, a Grande Loja da Inglaterra designou um capitão chamado John Phillips como Grão-Mestre Provincial da Rússia e da Alemanha. A Maçonaria arraigou-se na Rússia no reinado da Imperatriz Elisabeth (1741-62), particularmente entre a nobreza, e floresceu durante a maior parte do reinado de Catarina, a Grande (1762-96). Os maçons russos até o tempo de Catarina, eram na maioria estrangeiros de origem. Desde 1760, praticamente todas as famílias nobres tiveram pelo menos um maçom.

A primeira loja regular sob o sistema inglês, Perfect Unity Lodge Nº 414, foi constituída em São Petersburgo em 1771. Em 1772 a Grande Loja nomeou o primeiro nativo Grão Mestre Provincial, Ivan Yelagin (1725-94), secretário e conselheiro teatral para Catherine. 14 lojas uniram-se em 1776 para formar uma Grande Loja Nacional, que, sob a égide dos sistemas combinados, Inglês e Sueco, praticavam uma mistura heterodoxa de maçonaria, nos altos graus.

No início dos anos 1780, de acordo com um relato, havia 100 lojas na Rússia, com uma participação média de 25 membros. Muitos dos principais homens da época incluíam o escritor e editor Nikolai Novikov. A Maçonaria, no entanto, era mantida em crescente desaprovação por Catherine, desconfiada de suas reuniões privadas e até de suas atividades filantrópicas. A pressão do governo começou em 1782, Novikov foi preso em 1792 e em 1794 todas as lojas foram forçadas a fechar. A maçonaria foi tolerada pelo filho de Catarina, o czar Paulo (1796-1801), e ainda mais sob o seu filho, o czar Alexandre I (1801-1825), que em 1810 permitiu formalmente o estabelecimento de lojas maçônicas. A Grande Loja Astrea, fundada em São Petersburgo em 1815, presidiu as 23 lojas em 1819, novamente sob influência alemã e sueca. No período de reação após as guerras napoleônicas, no entanto, com a disseminação das sociedades secretas revolucionárias, Alexandre, em 1822, emitiu um decreto proibindo a maçonaria. Certamente foi um fato que a maioria dos oficiais do exército que participaram da abortada revolução dezembrista, mesmo período da morte de Alexandre em 1825, eram maçons. O irmão e sucessor de Alexandre, Nicolau I (1825-1855) reprimiu a maçonaria sob um novo decreto em 1826.

Depois disso, a Maçonaria Russa ficou no limbo. A Maçonaria reavivou-se depois da Revolução de 1905 e floresceu até 1917, mas foi mais uma vez suprimida depois da Revolução Bolchevique, formalmente em 1922.

A história da maçonaria russa do século XX começa em Paris, na França, quando várias lojas francesas que trabalhavam no Rito Escocês começaram a aceitar emigrantes russos na década de 1890. O primeiro russo a se juntar a esses maçons foi um filósofo, GN Vyrubov. Ele foi seguido pelo inventor da lâmpada incandescente elétrica, P. Yablochkov e um sociólogo, MM Kovalevsky. Kovalevsky foi considerado um dos fundadores da Maçonaria Russa. Este último era um membro da loja parisiense, Les Vrais Amis Fideles (Os verdadeiros amigos). Juntamente com P. Yablochkov, em 1887, formaram o Cosmos Lodge Nº 288 em Paris, que incluía russos e franceses.

A iniciação dos russos nas lojas regulares do Rito Francês só começou na primavera de 1905. Até então, eles praticavam somente o Rito Escocês.

Até 1906 não havia lojas maçônicas na Rússia, embora houvesse lojas na Polônia e na Lituânia. Apesar disso, em 1905, pouco antes da revolução, durante a Guerra Russo-Japonesa, o czar Nikolai II recebeu uma carta anônima que continha acusações anti-maçônicas dirigidas ao duque Obolensky e ao conde Vorontsov-Dashkov, o tenente-general da região do Cáucaso, que mais tarde, na verdade, tornou-se um maçom.

Em 17 de outubro de 1905, o Czar Nikolai II declarou liberdades constitucionais limitadas. Em dezembro de 1906, MM Kovalevsky abriu o Polar Star Lodge em São Petersburgo com a assistência de V. Maklakov do Partido dos Democratas Constitucionais (Cadetes). Foi a primeira loja permanente de maçons na Rússia, a primeira loja de cadetes e a primeira loja sob a jurisdição do Grande Oriente da França na Rússia.

Em 15 de novembro de 1906, o Duque SD Urusov, vice-ministro de Assuntos Internos do Estado, organizou o Resurrection Lodge em Moscou, sob a égide do Grande Oriente da França.

Também em 1906, NN Bazhenov criou a Astrea Lodge em Moscou (1906 – 1911), trabalhando no rito escocês. Um total de cinco Lojas que trabalhavam no Rito Escocês, existiam na Rússia antes de 1917, incluindo a chamada “Loja Escocesa” de Moscou e as Lojas inglesas em São Petersburgo.

As duas lojas do Rito Francês naquela época compreendiam cerca de 40 pessoas no total, principalmente Cadetes, enquanto o restante eram figuras independentes como os advogados S. Balavinsky, O. Goldovsky e M. Margulies, Barão G. Meidel, bibliotecário A Braudo, historiadores N. Pavlov-Silvanski e P. Shchegolev. O Supremo Conselho do Grande Oriente da França na Rússia consistia de delegados de todas as lojas e seu presidente, M. Margulies, foi eleito. Essas lojas foram então trazidas para o Grande Oriente da França na Rússia.

De 1907 a 1909, os maçons russos não se opuseram a estar sob a jurisdição francesa. Isso logo mudou, e depois de uma curta luta pelo poder dentro da liderança maçônica russa superpolitizada, as lojas formalmente se tornaram independentes do Grande Oriente da França em 1910. Antes disso, eles haviam relutantemente enganado o público em geral, e alguns maçons, tendo declarado sua intenção de fechar voluntariamente as lojas. Este passo visava realizar uma reestruturação política e eleger uma nova liderança dos maçons russos.

A ideia de introduzir essas reformas ocultas era salvaguardar a segurança da ala política do movimento maçônico na Rússia, tornando-a mais secreta e mais flexível, silenciosamente influente e militante. Não foi considerada uma violação das regras maçônicas, porque os irmãos russos acabaram de implementar as prerrogativas concedidas pelo Grande Oriente da França (Emissários George Boulet e Bertrand Sincholl). Eles receberam o direito de fundar novas lojas sem consultas preliminares e aprovação da regular, ou aparentemente regular, maçonaria de Rito Francês. A situação política real ditava a necessidade de organizar uma organização capaz de controlar as massas após a revolução.

Assim como o Grande Oriente da França, que iniciou as mulheres desde 1774, os russos também iniciaram mulheres no passado.

O Rosacrucianismo de St. Martin e Pasqually, o Rito Swedenborg e o Rito de Philalethes teriam todos desempenhados um papel no conceito popular da Maçonaria. Apesar de sua irregularidade, esses maçons russos mantiveram a fidelidade ao Grande Oriente da França.

Isso logo mudou assim que a liderança do movimento maçônico foi usurpada pelo Partido Democrata Constitucional (Cadete), liderado por NV Nekrasov, mais tarde ministro do governo provisório (março-novembro de 1917). O Grande Oriente da França na Rússia, ou, como alguns pesquisadores chamam, a afiliada russa do Grande Oriente da França, foi substituído pelo Grande Oriente dos Povos da Rússia.

Depois de terminar a reestruturação em 1913, o número de membros em cada loja do recém-nascido Grande Oriente dos Povos da Rússia, incluindo uma loja na Duma, uma loja composta de jornalistas, lojas em ambas as capitais, Kiev, Poltava (ou Kremenchug), Kharkov, Odessa (Ucrânia), Tver, Samara, Ecaterimburgo, Saratov (alojamento liderado por NKAveryeno), Nizhniy Novgorod (Rússia), Tiflis, Kutaisi (Geórgia), Minsk, Vitebsk (Bielorússia), Riga (Letónia), Revel (agora Tallinn ) (Estónia), Vilno (actual Vilnius) e Kovno (actual Kaunas, Lituânia) estavam limitados a 12 pessoas. Se houvessem 14 membros, eles eram aconselhados a se dividir em duas lojas de sete membros. A exceção foi feita para a loja liderada por LKChermak e Rose Lodge na Duma do Estado.

Em 1915 o número de lojas chegou a 50 e o número de maçons 600 (excluindo aqueles que não estavam sob a autoridade do Conselho Supremo – Martinistas, Philalets, maçons do Rito Escocês e numerosos ativistas não iniciados do Supremo Conselho).

O registro de atas em lojas foi proibido. Tudo feito em loja era feito oralmente. Todas as lojas eram estritamente supervisionadas pelo Supremo Conselho dos povos da Rússia formado em 1913. Veneráveis Mestres de Lojas só conheciam três secretários do Supremo Conselho – Nekrasov, Kerenski, Tereshchenko, os demais membros eram mantidos em sigilo.

Uma lista de ministros do futuro Governo Provisório foi discutida e acordada previamente no apartamento de Ye. Kuskova e foi apenas ligeiramente alterado em 1916 no apartamento de Duke Lvov e na suíte do hotel da França em São Petersburgo. Aproximadamente metade dos lugares no governo provisório foram ocupados por maçons do Supremo Conselho dos Povos da Rússia, nomeados por seus cargos na lista previamente compilada muito antes de 2 de março de 1917. O primeiro gabinete do governo provisório incluía nove irmãos e apenas um profaNº – Nikolayevich Milyukov. Kerensky estava sendo especialmente treinado para seu cargo futuro. Alguns membros do Supremo Conselho também conseguiram participar do novo gabinete soviético (bolchevique).

Depois da revolução bolchevique, o Supremo Conselho dos Povos da Rússia foi reorganizado na Loja da “Rússia Livre”. Logo se tornou uma sociedade de ajuda mútua para emigrantes.

A última loja de maçons russos em Paris entrou em trevas no início da década de 1970. Incluía apenas sete membros idosos. A ata da última reunião contém palavras como: “Tudo é dito. Estamos cansados! Não temos nada a dizer! Todos morreremos em breve”. Tais observações fecharam a última página do Supremo Conselho do Grande Oriente dos Povos da Rússia. Seu propósito oficial tinha sido “a melhoria moral de seus membros baseada na união de seus esforços na luta pela libertação política da Rússia”. Como no início do século XIX, a maçonaria russa irregular foi abatida por sua paixão pela política por ganhos pessoais, esquecendo os valores eternos e humanos..

Após a Revolução Russa de 1917 e a criação da União Soviética, a maçonaria quase desapareceu completamente, entretanto, os irmãos Russos continuaram trabalhando no exterior, principalmente na França onde continuaram o seu trabalho até o restabelecimento das lojas em solo Russo, no início dos anos 1990.

Em 24 de junho de 1995, a Grande Loja Nacional da França criou a Grande Loja da Rússia em Moscou. Durante o período de 1995 a 1998, a Grande Loja da Rússia recebeu o reconhecimento de todas as maiores obediências do mundo, incluindo a Grande Loja Unida da Inglaterra.

A Grande Loja da Rússia

Atualmente, a Grande Loja da Rússia tem uma relação de reconhecimento maçônico mútuo com mais de 90 Grandes Lojas do mundo, incluindo a Grande Loja Unida da Inglaterra, as Grandes Lojas Americanas e pelo menos 8 Grandes Lojas Brasileiras (CMSB).

Listagem das lojas em atividade:

  • № 1 “Harmonia”, no leste de Moscou (filiada desde a fundação da Grande Loja)
  • № 2 “United Lodges Lodge”, no leste de Moscou (filiada desde a fundação da Grande Loja)
  • № 4 “Gamayun”, no leste de Voronezh (filiada desde a fundação da Grande Loja)
  • № 5 “Aurora”, no leste de Moscou (loja de língua inglesa, foi criada em 23 de junho de 1996)
  • Nº 7 “Jupiter”, no leste de Moscou (fundada em 19 de novembro de 1997)
  • Nº 8 “The Four Crowned”, no leste de Moscou (loja de pesquisa, criada em 12 de junho de 1998)
  • Nº 9 “Northern Lights”, no leste de Moscou (fundada em 28 de novembro de 1998)
  • Nº 10 “Brotherly Love”, no Leste de Moscou (fundada em 6 de março de 1999 como loja itinerante)
  • Nº 11 “Alexander Sergeevich Pushkin”, no leste de Moscou (fundada em 12 de junho de 1999)
  • Nº 15 “Orion”, no leste de Moscou (fundada em 8 de fevereiro de 2001)
  • № 16 “Phoenix”, no leste de Moscou (fundada em 01 de março de 2001)
  • № 23 “Alpha e Omega”, no leste de Minsk (fundada em Novosibirsk em 12 de julho de 2002, o trabalho foi suspenso em outubro de 2010 e foi retomado em Minsk em 03 de setembro de 2016)
  • Nº 25 “White Knight”, no leste de Minsk (estabelecido em Moscou em 4 de junho de 2004, adormecida em 10 de novembro de 2010, despertada em Moscou em 12 de setembro de 2015)
  • Nº 27 “Citadel”, no leste de Moscou (estabelecido em 27 de maio de 2006)
  • № 29 “Acacia”, no leste de Sochi (estabelecido em 18 de abril de 2008)
  • Nº 30 “Forpost”, no leste de Magnitogorsk (estabelecido em 17 de maio de 2008)
  • Nº 31 “The Stone Belt”, no leste de Yekaterinburg (criado em 6 de junho de 2009)
  • Nº 32 “França” no leste de Moscou (criado em 29 de outubro de 2009, trabalha sob as regras francesas)
  • Nº 33 “Moose” no leste de St. Petersburg (fundada em 1770 e adormecida anos depois. A retomada dos trabalhos foram realizadas em 6 de março de 2010 em São Petersburgo)
  • № 34 “Acordo perfeito”, no leste de Moscou (trabalhos de acordo com o estatuto francês, a instalação foi realizada em 27 de novembro de 2010 em São Petersburgo)
  • № 35 “Delta”, no leste de Krasnodar (criado em 6 de março de 2011)
  • Nº 36 “Fedor Ushakov”, no leste de Saransk (criado em 12 de março de 2011)
  • № 37 “Clio”, no leste de Moscou (criada em 1774. A retomada dos trabalhos foi realizado em 09 de abril de 2011, itinerante)
  • Nº 38 “Two Eagles”, no leste de Minsk (estabelecido em 1770. Renovação dos trabalhos foi realizado em 16 de dezembro de 2012 em Minsk)
  • Nº 40 “Leon the Great”, no leste de Sukhumi (fundado em janeiro de 2013)
  • Nº 42 “Araragat”, no leste de Moscou (criado em 5 de julho de 2013, os trabalhos são realizados no ritual Emulação)
  • № 43 “Pavel Pavlovich Demidov”, no leste de Yekaterinburg (criado em 27 de setembro de 2013)
  • Nº 44 “Golden Key”, no leste de Perm (criado em 29 de setembro de 2013)
  • Nº 45 “A. S. Griboedov”, no leste de São Petersburgo (criado em 22 de abril de 2014)
  • Nº 46 “Skull and Cross”, no leste de Nizhny Novgorod (estabelecido em 27 de setembro de 2014)
  • Nº 47 “A cadeia de Bratsk”, no leste de Chelyabinsk (criado em 25 de outubro de 2014 em Yekaterinburg)
  • Nº 49 “Giuseppe Garibaldi”, no leste de Moscou (criado em 8 de maio de 2015, os trabalhos serão realizados de acordo com o Rito Oriental)
  • Nº 50 “Shipka”, no leste de Moscou (criado em 28 de fevereiro de 2015 para trabalhar em búlgaro)

Hoje em dia, os altos graus (os chamados graus “filosóficos”) na Rússia são representados pelas seguintes organizações:

  • Supremo Conselho do Rito Escocês a Antigo e Aceito para a Rússia
  • Supremo Conselho do Rito Francês da Rússia
  • Supremo Conselho dos Estatutos Antigos e Aceitos de Memphis-Mitzrayim
  • Capítulo do Arco Real “Santa Cecília” do Grande Capítulo do Arco Real para a Inglaterra
  • A Loja de Santo André, o Rito Escocês Retificado

Só é possível ingressar em qualquer um dos ritos após um ano de receber o título de Mestre Maçom em uma loja simbólica.
Bibliografia

http://freemasonry.bcy.ca/aqc/gl_russia.html

russianmasonry.ru/

Ars Quatuor Coronatorum. vol. 112  de 1999. ed. Peter Hamilton Currie.

http://freemasonry.bcy.ca/texts/russia/go_russia.html

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *