Hospitaleiros

Hospitaleiros são acolhedores.

 

Os modernos serviços de saúde e as atividades relativas a hotéis e hospedarias dos dias atuais surgiram da evolução intensa dessa função dos tempos em que se passaram; da chamada idade média.

Na Maçonaria, o Hospitaleiro é Oficial da A∴R∴L∴S∴ responsável de atender aos IIrm∴ necessitados e arrecadar os óbolos pelo “Tronco de Solidariedade”, em giro ritualístico muito simples. Ali, seu trabalho é, praticamente, inexistente.  Acrescentamos de passagem que Girar este “Tronco” é uma atividade bastante simples.

Onde, sua joia é uma “BOLSA”. Farnel do pedinte, do peregrino, do viajante. Simboliza a solidariedade e a fraternidade.

Não obstante, ele executa atribuições importantes, do ponto de vista da Ordem, que são desenvolvidas  independente dessas obrigações específicas, no Templo. As condizentes com a natureza íntima e familiar de cada um dos participantes, o que requer muito carinho, muita dedicação, assistência e desprendimento, deste oficial.  Ele mantém um relacionamento estreito com os mestres maçons mais atuantes da Loja. Principalmente os que ocupam cargos de inerentes ao convívio com os IIrm∴ como é o caso do Chanceler que mantem ativo o cadastro dos OObr∴ São atribuições que concretizam o verdadeiro símbolo do mensageiro do amor fraterno e da solidariedade humana.

O Hospitaleiro fornece apoio aos demais membros, em tempos difíceis. Papel importante e delicado. Ele deve ser a personificação da fraternidade e ajuda mútua e da satisfação pessoal. Cabe a ele praticar, mais do que qualquer outro Maçom, a caridade. Função de difícil execução e exige muito do Oficial que o ocupa, em momentos tão difíceis como os que presenciamos em nosso País.

O Hospitaleiro recebe atribuições diretamente relacionadas à organização dos atos de beneficência e solidariedade maçônicas em apoio aos menos favorecidos, passando desde a obrigação de fazer circular o “Tronco de Solidariedade” durante as Sessões da Loja e na presidência da “Comissão de Beneficência”.

Ele é escolhido como Irm∴ dinâmico, de moral ilibada, sem mácula, conhecedor dos demais IIrm da Loja. É simpático e se envolve nos problemas de cada um como um parente de sangue.

As Loja têm relativamente, um grande número de Mestres que lhe dão apoio e orientação. O sucesso de um hospitaleiro reflete positivamente na consolidação de uma Loja.

Sua posição é geralmente atribuída a um ou outro Maçom experiente que saiba como entender e como perdoar erros e desvios. Que saiba a diferença entre um problema temporário e uma situação que está se agravando. Que saibam identificar as necessidades prementes de um aflito, quer seja ou não um Irmão da Ordem. Então ele precisa de muita inspiração, amor ao próximo e dedicação no desempenho de suas funções. Poucas Lojas fazem o devido uso do Hospitaleiro na forma adequada é mais comum depararmos com as famosas “equipes do eu sozinho” assumidas quase sempre, pelos presidentes das Lojas.

A ajuda que o Irmão Hospitaleiro pode trazer não é apenas material. Deve realmente apoiar em tempos difíceis. Mas, para cumprir a sua missão corretamente, ele deve ser mantido informado dos problemas, dificuldades e das adversidades que podem viver alguns Irmãos, a fim de que possa atuar em seus melhores interesses, para confortá-los e para ajudá-los espiritualmente e materialmente.

O Irmão Hospitaleiro deve ser escolhido dentre os Mestres que têm muito tempo, que demonstram grande sociabilidade e que são capazes de praticar uma calorosa solidariedade. Esta função exigente e difícil exige que o Maçom esteja sempre de “Pé e à Ordem”. Os membros da Loja podem verificar, no âmbito desta função, a realidade da sua fraternidade, se não a sua maneira de compreender ou praticar as virtudes maçônicas.

O Hospitaleiro é o principal confidente dos Irmãos da Loja, é ele, em primeira instância, que irá se imiscuir primeiro nos problemas dos Irmãos a fim de saná-los. Ele é o encarregado de atender a todos os tipos de dificuldades, incluindo os de natureza pecuniária. Irmãos que experimentam desconforto momentâneo ou que são incapazes de pagar suas dívidas devido ao desemprego ou problemas pessoais extemporâneos, que vivem algum tipo de aflição, devem ter como confidente este Oficial, em face das atribuições que lhes são pertinentes.

As confidências são cobertas pelo sigilo que a função do cargo exige. O portador deste Ofício é responsável apenas por explicações ao Venerável Mestre da Loja. Quando o Hospitaleiro fala de um caso em Loja, estará falando de um Irmão aflito ou necessitado, até mesmo sem especificar o seu nome, se assim julgar pertinente.

 

ATRIBUIÇÕES

 

1 – Fazer circular o Tronco de Beneficência ou Solidariedade (o da viúva) durante as sessões, arrecadando a contribuição dos irmãos, juntando a esta, o apoio dado pelos ausentes.

2 – Exercer o controle e ter pleno conhecimento sobre as arrecadações e situação do cofre da hospitalaria que se constitui patrimônio da Loja e se destinam, com exclusividade, às suas obras beneficentes.

3 – Presidir a Comissão de Beneficência.

4 – Visitar os Obreiros enfermos, dando conhecimento à Loja do seu estado, propondo-lhes, auxílios, ouvida a comissão competente.

5 – Fazer parte das comissões enviadas pela Loja aos membros do Quadro, quando doentes, e a assisti-los em funerais.

6 – Comunicar à Loja, em qualquer época, a ausência, mudança de estado, morte ou mesmo as ocorrências em que se tornem desnecessários os socorros prestados.

7 – Manter livro para registro das ações de benemerência prestadas em nome da Loja, que lhe será apresentada, trimestralmente, e que será entregue ao seu sucessor.

8 – Deve escolher o seu adjunto, que atuará nas emergências.

 

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *